Quais os limites para o humor no Brasil atual?

27 de setembro

PROPOSTA 18      27/09/2019

ORIENTAÇÕES PARA A REDAÇÃO

1.Seu texto deve ser escrito na modalidade culta da língua portuguesa e à tinta em até 30 linhas.

2.Serão desconsideradas as linhas copiadas dos textos motivadores.

3.Receberá nota zero a redação que se enquadrar nas seguintes características:

3.1.tiver até 7 (sete) linhas escritas;

3.2.fugir ao tema ou não for do tipo dissertativo-argumentativo;

3.3.apresentar parte do texto deliberadamente desconectada da proposta temática.

TEXTOS MOTIVADORES

Texto I

O bom humor faz bem

O bom humor é, antes de tudo, a expressão de que o corpo está bem

Por Fábio Peixoto

Evidentemente, nem sempre dá para achar graça em tudo. Há situações em que a tristeza é inevitável – e é bom que seja assim. “Você precisa de tristeza e de alegria para ter um convívio social adequado”, diz o psiquiatra Teng Chei Tung, do Hospital das Clínicas de São Paulo. “A alegria favorece a integração e a tristeza propicia a introspecção e o amadurecimento.” Temos de saber lidar com a flutuação entre esses estágios, que é necessária e faz parte da natureza humana. O humor pode variar da depressão (o extremo da tristeza) até a mania (o máximo da euforia). Esses dois estados são manifestações de doenças e devem ser tratados com a ajuda de psiquiatras e remédios que regulam a produção de substâncias no cérebro. Uma em cada quatro pessoas tem, durante a vida, pelo menos um caso de depressão que mereceria tratamento psiquiátrico.

DISPONÍVEL EM: https://super.abril.com.br/saude/o-bom-humor-faz-bem-para-saude/ACESSO EM 23/9/2019 ÀS 17:26.

Texto II

Bom Humor no Trabalho

Na busca por resultados, as organizações estão investindo cada vez mais no conceito do bom humor. Os processos seletivos também estão permeados por essa ideia.

Proporcionar um ambiente de trabalho agradável é o que especialistas da área de recursos humanos pronunciam atualmente. O bom humor no trabalho favorece as relações interpessoais, tornando-as mais agradáveis; aumenta a união entre a equipe; eleva a produtividade; e ameniza o estresse, já que estimula a produção de hormônios responsáveis pela sensação de prazer.

Após analisar estudos sobre os efeitos do bom humor nas relações sociais, pesquisadores das Universidades Columbia e do Missouri, nos Estados Unidos, concluíram que as brincadeiras no ambiente de trabalho diminuem a fadiga.

Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/psicologia/bom-humor-no-trabalho.htm

Texto III

Os preconceitos arraigados na sociedade fornecem material abundante para os piadistas. O humor é cruel, caricatural. Expõe defeitos, limitações e faz rir; mas insulta! O humor insultante, preconceituoso parece o mais fácil, o que menos criatividade exige. Basta reproduzir o conservadorismo da maioria em forma de piada! Por isso, é o humor em seu nível mais baixo. Da mesma forma que encontra plateias numerosas que riem das mesmas piadas de sempre, também encontra defensores. Argumenta-se que este tipo de humor simplesmente colhe o pensamento existente e o reproduz de uma forma “engraçada”. Convenhamos, o argumento de que o humorista não é responsável pelas mazelas da sociedade, mas apenas o expressa, é forte. Não se deve, portanto, culpabilizá-lo. Neste raciocínio, seria exagero falarmos em humor preconceituoso.

Disponível em: https://espacoacademico.wordpress.com/2013/06/12/o-riso-dos-outros-o-humor-tem-limites/acesso em 23/9/2019 às 17:44(adaptado)

Texto IV

ATENTADO TERRORISTA AO CHARLIE HEBDO

A HISTÓRIA

Sete de janeiro de 2015. Onze e meia da manhã em Paris. Dois homens vestidos de preto e fortemente armados invadiram a redação do jornal satírico Charlie Hebdo. A ação durou poucos minutos e resultou em 12 mortos, entre jornalistas e policiais. Entre os mortos, George Wolinski, de 80 anos, uma lenda do cartunismo mundial. Na fuga, um dos terroristas executou, a sangue frio, um policial caído na calçada. As imagens chocaram o mundo. A polícia francesa logo identificou os autores do atentado: os irmãos franco-argelinos de origem muçulmana, Said e  Cherif  Kouachi, de 34 e 32 anos, respectivamente.

O Charlie Hebdo é um jornal semanal satírico, notabilizado por suas caricaturas de forte conteúdo antirreligioso. Alvos de muitas polêmicas, os chargistas do Charlie Hebdo não poupam ninguém: políticos conservadores, catolicismo, islamismo, judaísmo. Em 2011, o jornal foi alvo de um atentado em represália a uma caricatura do profeta islâmico Maomé.

Disponível em: http://memoriaglobo.globo.com/programas/jornalismo/coberturas/atentado-charlie-hebdo/atentado-charlie-hebdo-a-historia.htm

Texto V

Disponível em: http://nanov3rso.blogspot.com/2010/03/tirinhas-de-humor-134-mafalda.html/acesso em 23/9/2019 às 18:02.

PROPOSTA DE REDAÇÃO A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija um texto dissertativo-argumentativo em modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “Quais os limites para o humor no Brasil atual?”, apresentando proposta de intervenção que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.