A importância da empatia nas relações socioemocionais em questão no Brasil

13 de outubro

PROPOSTA 20     13/10/2019

ORIENTAÇÕES PARA A REDAÇÃO

1.Seu texto deve ser escrito na modalidade culta da língua portuguesa e à tinta em até 30 linhas.

2.Serão desconsideradas as linhas copiadas dos textos motivadores.

3.Receberá nota zero a redação que se enquadrar nas seguintes características:

3.1.tiver até 7 (sete) linhas escritas;

3.2.fugir ao tema ou não for do tipo dissertativo-argumentativo;

3.3.apresentar parte do texto deliberadamente desconectada da proposta temática.

TEXTOS MOTIVADORES

Texto I

COMPETÊNCIA 9: EMPATIA E COOPERAÇÃO

Entenda por que é necessário abordar o desenvolvimento social do aluno

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é um documento de caráter normativo que define o conjunto orgânico e progressivo de aprendizagens essenciais que todos os alunos devem desenvolver ao longo das etapas e modalidades da Educação Básica. A BNCC diz que se deve exercitar a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos e a cooperação, fazendo-se respeitar e promovendo o respeito ao outro e aos direitos humanos, com acolhimento e valorização da diversidade de indivíduos e de grupos sociais, seus saberes, identidades, culturas e potencialidades, sem preconceitos de qualquer natureza.

A competência 9 aborda o desenvolvimento social da criança e do jovem, propondo posturas e atitudes que devem ter em relação ao outro. Fala da necessidade de compreender, de ser solidário, de dialogar e de colaborar com todos, respeitando a diversidade social, econômica, política e cultural.

Disponível em: https://novaescola.org.br/bncc/conteudo/13/competencia-9-empatia-e-cooperacao/

/acesso em 06/10/2019 às 15:04/adaptado

Texto II

A importância de trabalhar a empatia nas escolas

Empatia é a capacidade de perceber, sentir, conectar-se com o outro. É entender o que a outra pessoa está sentindo.

Em um mundo repleto de tecnologia, é normal que as coisas estejam mudando o tempo todo. Mudamos a forma em que consumimos, produzimos, aprendemos e, principalmente, como nos relacionamos. Diante de um cenário tecnológico, muito se fala sobre as habilidades futuras, o que crianças e jovens precisam desenvolver para se destacaram no futuro?  

E como resposta temos as soft skills, ou as “habilidades sociais humanas” que se tornarão cada vez mais valiosas – habilidades como empatia, trabalho em equipe, percepção de contexto, colaboração e pensamento criativo serão diferenciais para quem quiser se destacar no mercado de trabalho, por exemplo.

Dessa forma, cabe à escola mostrar ser empático, fazendo com que crianças e jovens criem senso de responsabilidade e assumam um papel protagonista nas mudanças do mundo. Porém, nem sempre a preocupação com o outro é prioridade, nesse caso, vale ficar em alerta, pois a falta de empatia pode ser associada a problemas como bullying, intolerância, preconceito e violência.

Assim, é importante que alunos de todas as idades tenham a possibilidade de desenvolver atitudes empáticas para que seja possível uma sociedade mais madura, inteligente e conectada entre si.

Disponível em https://neurosaber.com.br/a-importancia-de-trabalhar-a-empatia-nas-escolas/acesso em 06/10/2019 às 14:44.

Texto III

Na Dinamarca, país que foi considerado o “mais feliz do mundo” em 2016, a empatia já chegou nas escolas e é contemplada no currículo escolar tal qual Literatura, Matemática e outras disciplinas, da educação infantil ao ensino médio. Pois é importantíssimo que alunos de todas as idades tenham a possibilidade de desenvolver atitudes empáticas para que seja possível uma sociedade mais madura, inteligente e conectada entre si.

“A capacidade de se colocar no lugar do outro é uma das funções mais importantes da inteligência. Demonstra o grau de maturidade do ser humano.”, segundo o psiquiatra  e escritor Dr. Augusto Cury.

Para desenvolver a empatia nas crianças e adolescentes, a mudança tem que começar de forma estrutural. É importante, primeiramente, que a empatia e educação socioemocional vire uma forma de lidar com as situações da rotina escolar, quase como uma cultura da escola.

É claro que a cultura não vai mudar sozinha, do dia para a noite, por isso é essencial que os primeiros exercícios de desenvolvimento de empatia aconteçam com os gestores, coordenadores e professores.

Para adultos, uma forma fácil de desenvolver a empatia é o hábito de leitura de ficção, estimulando ao leitor a compreender pessoas. Escutar músicas prestando atenção nas letras e jogar jogos com situações de conflitos também são formas fáceis de encaixar na rotina. As atividades propostas podem ser em grupos. Caminhadas na natureza e observação de pessoas em situações cotidianas também ativam áreas no cérebro associadas à empatia e altruísmo.   

Disponível em: https://jornadaedu.com.br/familia-na-escola/trabalhar-a-empatia-em-sala-de-aula-pode-transformar-relacoes/acesso em 06/10/2019 às 14:49

Texto IV

Disponível em: https://www.google.com/search?rlz=1C1SQJL_pt-BRBR850BR851&biw=1680&bih=917&tbm=isch&sa=1&ei=eC6aXdixFs245OUPl-2KkAQ&q=campnha+pela+empatia&oq=campnha+pela+empatia&gs_l=img.3…71694.74863..75313…0.0..0.161.2225.6j14……0….1..gws-wiz-img…….0j0i67j0i10j0i10i30j0i10i24.pbS1d9LQ4hc&ved=0ahUKEwjYzdD8nYjlAhVNHLkGHZe2AkIQ4dUDCAc&uact=5#imgrc=2F-ATcweM3OmfM:/acesso em 06/10/2019 às 15:18.

PROPOSTA DE REDAÇÃO A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija um texto dissertativo-argumentativo em modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “A importância da empatia nas relações socioemocionais em questão no Brasil”, apresentando proposta de intervenção que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.