A dependência do Brasil em relação ao transporte rodoviário e a necessidade de mudanças

28 de abril

ORIENTAÇÕES PARA A REDAÇÃO

1.Seu texto deve ser escrito na modalidade culta da língua portuguesa e à tinta em até 30 linhas.

2.Serão desconsideradas as linhas copiadas dos textos motivadores.

3.Receberá nota zero a redação que se enquadrar nas seguintes características:

3.1.tiver até 7 (sete) linhas escritas;

3.2.fugir ao tema ou não for do tipo dissertativo-argumentativo;

3.3.apresentar parte do texto deliberadamente desconectada da proposta temática.

TEXTOS MOTIVADORES

Texto I

A histórica dependência do Brasil no modelo rodoviário de transporte de cargas

Falta de investimento e visão estratégica ao longo de muitas décadas levou o país a ter 65% das cargas transportadas por caminhões

(por Luciano Velleda, da RBA publicado 28/05/2018 08h01, última modificação 28/05/2018 08h02)

São Paulo – “O transporte rodoviário de cargas, no Brasil, só é competitivo com os modais aquaviário e ferroviário porque pratica o aviltamento do frete, motivado pela necessidade de sobrevivência dos caminhoneiros autônomos, pela insuficiente regulamentação da atividade e pelo também insuficiente rigor no controle do peso por eixo dos caminhões que circulam nas malhas estaduais e federal.” O diagnóstico consta no livro Infraestrutura, transportes e mobilidade territorial, organizado por José Augusto Valente e lançado pela Fundação Perseu Abramo em 2013. 

Responsável por 65% do transporte de cargas inter-regional no Brasil, segundo dados de 2015 do Plano Nacional de Logística, a dependência do país ao transporte de cargas por caminhões é a consequência de um longo processo histórico. Tão distante que remonta até ao período da colonização, quando os portugueses extraíam as riquezas naturais no interior do país e levavam até o litoral, para dali atravessar o oceano Atlântico em direção a Europa.

Isso fez com que os caminhos para escoar as riquezas nacionais fossem, na maioria dos casos, horizontais, no sentido oeste-leste, sem a preocupação de ligações norte-sul que integrassem melhor as regiões do país. Apenas no governo do ex-presidente José Sarney (1986-1989) nasceu a intenção de ligar os extremos do país com a construção da Ferrovia Norte-Sul, obra paralisada nos anos de 1990 e retomada depois nos governos dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. 

(Disponível em: https://www.redebrasilatual.com.br/economia/2018/05/a-historica-dependencia-do-brasil-do-modelo-rodoviario-de-transporte-de-cargas/Acesso em 17/01/19 às 15:20h)

Texto II

Investimentos recentes

O ex-secretário nacional de Políticas de Transportes destaca que desde o primeiro mandato do presidente Lula, o governo federal investiu na expansão da malha ferroviária e na eliminação de gargalos, como travessias urbanas críticas por meio de contornos ferroviários. Entre os principais investimentos no setor ferroviário estão a ampliação da Ferrovia Norte-Sul e a modernização da Nova Transnordestina, além da construção das ferrovias Oeste-Leste, na Bahia, e a Centro-Oeste. 

“Quando tais malhas estiverem operando, grande parte da produção de grãos do Centro-Oeste e do Nordeste ao invés de se deslocarem para os portos do Sudeste e Sul, serão movimentados em direção aos terminais portuários do Norte e Nordeste, desafogando a malha rodoviária, reduzindo tempo de deslocamento e, principalmente, custos”, estimava Valente, em trecho do livro publicado em 2013 pela Fundação Perseu Abramo. 

(Disponível em: https://www.redebrasilatual.com.br/economia/2018/05/a-historica-dependencia-do-brasil-do-modelo-rodoviario-de-transporte-de-cargas/Acesso em 17/01/19 às 15:20h)

Texto III

A divisão do modal do transporte de carga no Brasil em 2015

EMPRESA DE PLANEJAMENTO E LOGÍSTICA

 (Disponível em: https://www.redebrasilatual.com.br/economia/2018/05/a-historica-dependencia-do-brasil-do-modelo-rodoviario-de-transporte-de-cargas/Acesso em 17/01/19 às 15:20h)

PROPOSTA DE REDAÇÃO A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija um texto dissertativo-argumentativo em modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “A dependência do Brasil em relação ao transporte rodoviário e a necessidade de mudanças”, apresentando proposta de intervenção que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.